Encomendas processadas no nosso armazém em menos de 24 horas (úteis), salvo rotura de stock.
Após saírem do nosso armazém, serão entreges no prazo normal de 1 a 2 dias úteis em Portugal Continental.
Amostras ou ofertas em todas as encomendas
MENU
Toggle Nav

Reducitarianismo - Tudo o que precisa de saber

Nutrição

Parece uma palavra complicada, mas na verdade pode ser uma solução bem simples para reduzir o consumo de carne e, assim, ajudar a diminuir o nosso impacto ambiental. Trata-se de um conceito alimentar que fica entre o veganismo e o vegetarianismo. Este regime foi criado por Brian Kateman, fundador da Reducetarian Foundation, um vegetariano que, de vez em quando, cometia alguns deslizes quando ia comer fora com os amigos e a família.

Mas o que é Reducitarianismo

É um conceito alimentar que defende a redução do consumo de carne (vermelha e aves), peixe e marisco, bem como de laticínios e ovos, independentemente do grau de motivação. Este conceito é apelativo, pois nem todos conseguem assumir um compromisso alimentar do tipo “tudo ou nada”. Assim, o reducitarianismo inclui todos aqueles que desejam reduzir a quantida-de de produtos derivados de animais na sua alimentação. Assenta na ideia de que é possível contribuir para a sustentabilidade ambiental e para o bem-estar animal ao comermos menos carne.

Vantagens para a Saúde

As pessoas com dietas ricas em produtos animais estão mais suscetíveis a desenvolver doenças como o cancro da mama, da próstata ou do cólon. Devido ao teor de gordura saturada da carne e derivados, verificam-se ainda colesterol elevado, hipertensão, ataques cardíacos, obesidade, osteoporose, artrite, diabetes, asma, pedra nos rins e impotência. As culturas asiáticas, nas quais a ingestão de carne é mais restrita, apresentam uma menor probabilidade de ocorrência destes problemas.

Outra questão inerente ao consumo de carne é a sua toxicidade. Os animais podem acumular contaminantes químicos, numa concentração superior à verificada nos alimentos de origem vegetal. As rações para animais são, muitas vezes, enriquecidas com hormonas e antibióticos. E, ao serem abatidos sob anestesia e em situações de stresse, os animais libertam adrenalina em excesso, contaminando ainda mais a carne. Estas substâncias, ao entrarem em contacto com o nosso organismo, podem originar doenças nos sistemas imunitário e reprodutor.

O consumo de alimentos de origem vegetal em detrimento de alimentos cárneos contribui para uma maior ingestão de fibras, nutrientes antioxidantes, vitaminas e minerais. Assim, para além da redução do risco das doenças referidas, há uma melhoria do funcionamento intestinal, perda de peso, e até uma redução da inflamação do organismo.

A Carne e o Efeito Estufa

De acordo com a FAO (Food and Agriculture Organization), a indústria da carne por si só é responsável por cerca de 20% das emissões globais de gases de efeito estufa. o metano tem 20 vezes mais potencial de aquecimento global quando comparado com o dióxido de carbono e é libertado em grande quantidade a partir dos excrementos de animais. compostos nocivos, como o amónio, são libertados neste processamento, o que pode causar problemas de saúde a curto prazo, como dores de cabeça ou até mesmo problemas neurológicos graves.

Porquê Reduzir a Consumo de Carne

De uma forma geral, ao comer menos produtos derivados de animais consegue reduzir-se o risco de doenças cardiovasculares e certos tipos de cancro. também é possível diminuir a nossa pegada ecológica, bem como o sofrimento animal e até contribuir para a redução da crise alimentar e falta de água a nível global.

Diminuir a Pegada Ecológica

A pecuária é uma das principais causas da poluição do ar e da água, além de colocar em risco a saúde das comunidades locais. Estima-se que os grandes criadores de animais produ-zem cerca 500 milhões de toneladas de estrume anualmente – três vezes mais do que os esgotos produzidos por toda a população americana. Os excrementos dos animais são armazenados em enormes fossas ou lagoas que, frequentemente, vazam para terrenos adjacentes. Este processo liberta micróbios e bactérias perigosos nos riachos locais e nos rios, contaminando os recursos hídricos locais.


Outro problema reside na grande quantidade de água potável necessá-ria para a pecuária, nomeadamente para hidratar os animais, para limpar as instalações e para descartar os seus dejetos. Há, assim, um uso ineficiente de água e um desperdício de recursos naturais. A pecuária implica ainda uma ocupação de vastas áreas de terreno para o cultivo de cereais, para a alimentação animal.
A pesca também contribui para o desequilíbrio ecológico. Os navios pesqueiros poluem rios e oceanos e contribuem para a destruição dos ecossistemas marinhos, colocando algumas espécies em risco de extinção.

Reduzir o Consumo de Proteína Animal

A carne, o peixe, os ovos e os laticínios são fornecedores de proteína por excelência, providenciando todos os aminoácidos essenciais, mas não são os únicos. As legumi-nosas, como as lentilhas, grão-de-bico, feijão e, nomeadamente, a soja (e o tofu, elaborado a partir da soja), são uma alternativa de qualidade às proteínas de origem animal. As sementes (cânhamo, linhaça, abóbora, chia, etc.) e frutos secos (noz, amêndoa, caju, amendoim, etc.) também são fontes importantes.

Por vezes, ao cortar no consumo de produtos animais, há um aumento de hidratos de carbono, como pão, massas e pizzas; ou não há uma substituição equilibrada por proteínas vegetais, o que provoca desequilíbrios: aumento de peso, risco de carência de ferro, zinco, vitamina D e B12. É muito importante fazer uma rotação destes alimentos, de forma planeada, para que não haja deficits.

Dicas para se Familiarizar com o Reducitarianismo:

  • Não consuma carne ou outros produtos animais uma vez por semana (por exemplo, as “segundas- feiras sem carne” — Meatless Monday).
  • Faça substituições diárias, como trocar a carne vermelha por leguminosas (soja, lentilhas, etc.), frutos secos (nozes) ou cereais (quinoa).
  • Substitua o leite e derivados por bebidas e alternativas vegetais, como os iogurtes à base de soja, amêndoa, aveia, arroz ou de coco.
  • Corte nas porções de proteína animal – por exemplo, coma um bife mais pequeno.
  • Não coma carne ou outras proteínas animais ao almoço se vai fazê-lo ao jantar ou vice-versa.
  • Consuma proteína animal apenas ao fim de semana.