Descubra a Nova Oferta de Frescos Biológicos*
*Portes grátis não aplicáveis para encomendas com entrega refrigerada
Amostras ou ofertas em todas as encomendas.

MENU
Toggle Nav

Rins - Como cuidar deles

Bem-Estar

Não descure a saúde de órgãos tão importantes como os rins. Saiba todos os segredos para os manter sempre saudáveis.

Os rins são dois órgãos de cor vermelho--escura com a forma de um feijão e que se localizam nas costas, tendo as últimas costelas a função de os proteger.
Por eles circula diariamente uma grande quantidade de sangue através das artérias renais. No interior dos rins estas artérias dividem-se em vasos, cada vez menores, até formarem um “novelo” de vasos muito finos: glomérulos. Esta estrutura é o verdadeiro filtro do rim porque elimina todas as substâncias indesejáveis através da urina.
A urina é o líquido formado pela água que o organismo não necessita e que por isso é eliminada juntamente com sais e outros produtos (sódio, cálcio, fósforo, ureia e ácido úrico, entre outros) que não devem ficar acumulados no sangue.
Durante um dia passam pelos rins cerca de 1200 a 2000 litros de sangue e forma-se cerca de 1,2 a 1,5 litros de urina.

Qual a sua função?

Os rins têm várias funções importantes para o organismo, entre as quais se destaca:

  • Eliminação de resíduos tóxicos produzidos pelo organismo, como a ureia e o ácido úrico.
  • Controlo do volume de líquidos de forma a eliminar a água em excesso no organismo.
  • Controlo de sais no nosso corpo.
  • Através do controlo do equilíbrio entre líquidos e sais no organismo influenciam a pressão arterial e venosa no organismo.
  • Segregação de hormonas: eritropoetina, vitamina D e renina. A eritropoetina interfere na produção de glóbulos vermelhos e a sua falta pode levar a situações de anemia de difícil tratamento. A vitamina D controla a absorção de cálcio pelos intestinos. A renina está associada ao controlo do volume de líquidos e pressão arterial do organismo.

Primeiros sinais de doença renal

As causas das doenças renais podem ter várias origens e o primeiro passo para a sua deteção consiste na observação de alterações na urina, nomeadamente o seu volume, cor, odor e modo como é eliminada (frequência, quantidade e jato).
As alterações detetadas nas análises sanguíneas, nomeadamente nos valores de creatinina, ureia, sais minerais ou anemia sem causa aparente, podem indicar alguma alteração a nível do funcionamento renal.
Inchaço nos pés, mãos e olhos, assim como dores nas costas ou aumento da tensão arterial também podem ser sinais de alarme.
Fatores de risco para a doença renal são a hipertensão, diabetes, idade superior a 60 anos, histórico familiar de doença renal ou doença cardíaca ou cardiovascular.

Doenças renais

Cólica renal

Deve-se à presença de cálculos nos rins e está associada a dor intensa, por vezes sangue na urina e nalguns casos libertação de partículas (cálculos).
Os cálculos consistem em pequenos minerais (normalmente de oxalatos, carbonato de cálcio ou de ácido úrico) que geralmente são filtrados pelos rins mas que por algum motivo se vão cristalizando e acumulando. Uma das causas pode ser a urina tornar-se cronicamente muito concentrada.
Estes cálculos podem deslocar-se através das vias urinárias e ser expulsos de forma espontânea, mas também podem ficar retidos, provocando uma dor aguda que não alivia em qualquer posição. Habitualmente a cólica piora quando se bebe água, razão pela qual a sua ingestão deve ser evitada durante a crise.
O tratamento da litíase renal depende do tamanho do cálculo, da sua composição e de complicações a que poderá estar associada, podendo consistir na destruição dos cálculos, remoção através de cirurgia ou apenas aliviar os sintomas associados à crise.
Para prevenir a formação destes cristais deve-se ingerir bastante água (exceto durante os episódios de dor), seguir a dieta recomendada pelo médico em função do tipo de cálculo e, nalguns casos, alguns medicamentos podem favorecer a eliminação de alguns tipos de cálculos. De um ponto de vista mais natural, algumas plantas, entre as quais a quebra-pedras, têm revelado bons resultados na eliminação e diminuição de sintomas associados à presença de cálculos renais. A planta quebra-pedras é muito utilizada para amenizar problemas no aparelho urinário, sendo por isso muitas vezes ingerida sob a forma de chá
A ingestão de água dialítica tem mostrado resultados satisfatórios na eliminação e prevenção do aparecimento de cálculos renais.

Insuficiência renal

São várias as doenças renais que podem levar à insuficiência renal. No passado esta patologia era mortífera porque não existia hemodiálise e substâncias tóxicas para o organismo, como por exemplo a ureia, atingiam concentrações muito elevadas e provocavam a morte.
Esta patologia surge quando por algum motivo o rim fica incapacitado de realizar a sua função e, especialmente no caso crónico, pode ser irreversível. No entanto, é importante destacar que um só rim é suficiente para manter uma função renal normal.
Devido à capacidade de adaptação do organismo, os seus sintomas podem ser progressivos e só se fazerem sentir quando já há uma grande diminuição da função, mas por vezes, através da observação de alterações nos níveis de creatinina ou ureia, pode ser detetada.
Alguns dos primeiros sintomas podem ser cansaço progressivo, debilidade generalizada e fadiga ao realizar esforços pequenos ou moderados. Quando a insuficiência renal é grande, surgem sintomas digestivos, entre os quais se destaca a perda de apetite. Quando há insuficiência renal, existe ainda tendência para a acumulação de líquidos ou edemas, mais abundantes nas pernas à medida que o dia avança e na face durante as primeiras horas da manhã, ao acordar. O aumento de tensão arterial ou hipertensão também é frequente.
Porém, sabe-se que alguns indivíduos têm um risco agravado de sofrer de insuficiência renal, nomeadamente quem tem rins poliquísticos, apenas um rim, algum tumor, rim tuberculoso ou até em situações de HBP (hiperplasia benigna da próstata), em que ocorre uma grande dilatação da próstata sem tratamento.
Nestes casos a consulta de um especialista, o nefrologista, é importante para o correto diagnóstico e tratamento. Este inclui tanto a toma de medicação adequada como vários cuidados a nível alimentar.
A medicação é necessária para o controlo da tensão arterial, pois fornece hormonas que o rim não é capaz de produzir, mas também para aliviar os sintomas.
Através da dieta tenta-se controlar a tensão arterial e diminuir a acumulação de substâncias como a ureia, creatinina ou potássio, pois a insuficiência renal leva a que se acumulem indevidamente no organismo.

Em caso de insuficiência renal, a nível alimentar é importante:

  • A ingestão de água em função da capacidade do organismo para a eliminar.
  • A eliminação do sal ou alimentos ricos no mesmo em caso de tensão arterial elevada. Como alternativa podem ser utilizadas plantas aromáticas, especiarias ou o gomásio.
  • Controlar o consumo de proteínas, pois o rim pode não ter capacidade para eliminar substâncias resultantes da sua utilização, sobretudo as presentes na carne e no peixe. As alternativas à base de soja são uma boa opção nestes casos.
  • Quando se verifica a acumulação de potássio no sangue também é importante evitar alimentos mais ricos neste elemento: fruta, batatas e muitas das verduras.

Algumas plantas também podem ter uma ação coadjuvante em situações de creatinina elevada no sangue e melhoria da função renal, como é o caso do abacateiro, parietária, marmeleiro, Lespedeza capidata ou alcachofra.

Obstrução urinária

Deve-se ao impedimento da passagem da urina pelos canais urinários. Possíveis causas para esta situação são a presença de cálculos, aumento da próstata, tumores, estreitamentos anormais da uretra ou ureteres. Como consequência verifica-se a ausência total ou parcial de urina e o seu tratamento é urgente.

Nefrite

Manifesta-se com a presença de albumina no sangue e urina, que apresenta sintomas como edema e hipertensão.

Infeções urinárias

Normalmente não chegam a atingir o rim; contudo, se além dos sintomas mais comuns de infeções urinárias surgir febre, dor lombar e calafrios é possível que os rins também já estejam a ser afetados, tratando-se assim de pielonefrite.
Quando as infeções urinárias são frequentes, o arando vermelho pode ser útil na prevenção de novos episódios.

Tumores renais

No rim também pode ocorrer a formação de tumores benignos e malignos. As queixas associadas a estas massas palpáveis no abdómen são dor, sangue na urina e obstrução urinária.

Além das patologias indicadas, o rim pode ser afetado por muitas outras situações, como é o caso de diabetes, gota, doenças imunitárias, tuberculose, hereditárias (ex.: rim poliquístico) e nefropatias tóxicas causadas por tóxicos, agentes físicos, químicos e drogas.

Dicas para manter os rins saudáveis

  • Manter a pressão sanguínea nos valores estabelecidos pelo seu médico ou técnico de saúde. Isto pode contribuir para atrasar ou prevenir a insuficiência renal.
  • Em caso de diabetes é importante controlar os níveis de glicose no sangue.
  • Manter os níveis de colesterol recomendados.
  • Tomar apenas a medicação recomendada pelo médico. Não abusar de medicação analgésica ou anti-inflamatórios não esteroides.
  • Reduzir o consumo de sal substituindo-o por especiarias, ervas e temperos sem ou com menos teor de sódio.
  • Escolher alimentos saudáveis: frutos frescos, vegetais frescos ou congelados, cereais integrais, produtos lácteos com baixo teor de gordura.
  • Limitar o consumo de álcool.
  • Praticar exercício físico.
  • Manter um índice de massa corporal saudável e, se for o caso, combater o excesso de peso.
  • Se fuma, tome as medidas necessárias para deixar de o fazer. O fumo do tabaco pode causar danos a nível renal.